text-align: center; B de Betina: Quando te conheci...

25 agosto 2013

Quando te conheci...


Eu não estava esperando por ninguém, eu estava tranquila, estava solteira e estava surpreendentemente feliz. Diferente das outras mulheres com essência de menina eu não ficava almejando conhecer meu príncipe encantado e muito menos viver numa comédia romântica. Eu não estava esperando por ninguém até que você apareceu na minha vida pela primeira vez e decidiu fazer parte da minha rotina diária. O formato do seu sorriso era perturbador, se fixava na minha mente e não saia de jeito nenhum, eu ficava tentando me concentrar no vestibular que estava prestes a fazer mas você não permitia que eu fizesse isso por mais de cinco minutos. Quando nos encontramos eu senti vontade de rir, não me lembro se era de felicidade ou pela maneira em que estava vestido, dividimos o mesmo guarda-chuva enquanto em cima de nós caia a ultima chuva do ano. Não quis dizer que sua roupa estava feia, na real eu queria rir por ter conhecido alguém como eu. Você estava cheiroso e a primeira coisa que reparei foi sua barriga naquela blusa transparente. Contei até três e finalmente te abracei, em seguida reparei na sua doce e lenta voz e senti preguiça de esperar você terminar cade frase que queria falar comigo naquele momento, mas junto com a preguiça vinha minha vontade de te conhecer mais e mais. Não sou nenhuma menina sonhadora e muito menos desesperada por um namorado, mas logo de cara percebi que você era ''O cara'', aquele ousado, metido, orgulhoso e encantador que eu sempre esperei conhecer um dia. Mas mesmo você sendo o meu ''cara'' você era apenas o meu amigo que talvez poderia se tornar em um dos meus melhores amigos, não desisti do seu intimo, apenas não quis arriscar e mais uma vez me decepcionar. 

"Entra", essa foi a primeira palavra dita quando chegamos na sua casa, por pura conhecidencia tínhamos amigos em comum, e todos estavam lá. Confesso que eu estava com frio pois a chuva que caia naquele momento molhou minhas pernas enquanto caminhávamos até sua casa, não sei se já te confessei, mas eu detesto sentir frio, então desejei me sentir aquecida naquele momento. 
Sentada em seu sofá, amigos e bebidas em nossa volta, papo vai, papo vem até que você sorrir, Pronto, aquele foi o ponto auge até eu me apaixonar. Me senti besta, nunca tinha me apaixonado com um sorriso antes. Segurei as pontas, tentei não assumir a mim mesma, mas talvez eu realmente tinha acabado de me apaixonar. Foda-se eu não tinha nada a perder e quis seguir em frente pra ver onde aquele história iria parar. Até hoje não sei como fui me permitir isso, mas eu quis apenas ser sincera comigo mesma, com meus sentimentos, por mais toscos que fossem, afinal, eram meus sentimentos. Lembro-me vagamente de um pensamento que tive durante uma de nossas conversas via facebook: "olha, ele gosta de mc fly", então rapidamente me convidei a ir em um show com você. Quis te impressionar um pouquinho, não sei se você lembra mas me identificava com seus gostos e também te elogiei algumas vezes naquela noite, e também pela manhã e isso dura até nos dias de hoje, sempre tento te impressionar, chamar sua atenção de alguma forma que nem eu sei explicar. Pronto agora você já deve imaginar que te amo, e que é sério. Hey, não me ache uma tremenda idiota, eu só te escolhi.

Seu celular tocou algumas vezes naquela noite, minha unica curiosidade era saber quem era, "será que é o/a namorado/namorada dele?", me senti incomodada por não ter uma certa intimidade com você e perguntar, então deixei passar como deixei suas conversas no facebook e suas ligações intimas. 
Dormimos e ao amanhecer embarcamos juntos, sentados no ultimo banco de um ônibus ditamente pobre. Lembro que naquele dia meu dia começou louco. Me senti uma jovem inconsequente rodeadas de amigos inconsequentes e um cara que supostamente eu estaria apaixonada. 
Torci para que você se sentasse do meu lado, antes que viesse alguém com bafo de bebida e tentasse dormir no meu ombro enquanto o ônibus não chegava ao seu devido destino. Ebaaa, você se sentou ao meu lado. Lembro-me exatamente o que estava vestindo, e dei destaque ao cardigã listrado, nunca te disse, mas você estava lindo. Você me disse que me apresentaria a sua mãe como sua namorada, sorri e achei que fosse mentira, então não dei importância, mas no fundo estava torcendo que fosse verdade, porque ai oficialmente você seria meu namorado. Não lembro se eu dei risada, mas aquela foi sua primeira mentira, mas não me importei, afinal tava na cara que você não ia apresentar sua mãe uma menina que você tinha acabado de conhecer. 

Eu gostei da sua mãe, gostei do seu pai, gostei do seu irmão e do seu cachorro, não sei se já te disse isso, mas eles são bem legais e senti que todos gostaram de mim, até mesmo seu cachorro branquinho e fofo. Na minha cabeça você era apenas mais um gay que gostava de Lady Gaga, e tinha uma fantasia de Rihanna e consequentemente gostava de Mc Fly, mas durante o ultimo dia do ano você me surpreendeu e eu percebi que você era diferente de todos os homens que eu já havia conhecido. Você era único, você era dono de uma androgenia incrível e sem explicação. Pra falar a verdade isso me deixou ainda mais apaixonada, mas eu precisava bolar um plano de ficar com você e descobrir sua verdadeira sexualidade, tava chato te comparar com todas as divas do pop. 
Imaginei um namoro com você, e imaginei você enrolado nesse namoro, imaginei você se enrolando ao me beijar, e mais uma vez me surpreendi quando me deu um beijo 00:00 na noite do dia 31 de dezembro. Não lembro o que me disse após o tão esperado beijo, mas lembro que haviam fogos e lembro de você sussurrando algumas palavras no meu ouvido, você não sabe, mas essa imagem vive me perseguindo, achei bonito, achei romântico e detestei achar isso.
Não sabia como iria ser nossas vidas após aquele beijo, senti medo, senti nervoso, fiquei ansiosa querendo saber se ia ou não acontecer de novo e me surpreendi quando aconteceu uma, duas, três, quatro... 8 meses.
Esse foi nossos primeiros momentos juntos, foi inesquecível, foi bom e eu amei, eu te amei, eu te amo.  Trinta de dezembro de dois mil e doze, nos conhecemos e após um dia recebemos o ano de dois mil e treze nos beijando. Nunca me imaginei recebendo o ano de uma forma tão positiva, tão apaixonante. Você tinha se tornado meu amor, o cara que eu tinha escolhido e precisava ser eu mesma pra conquistar. Naquele dia choveu, fez frio, mas depois fez calor. 89% das pessoas nos apedrejaram quando nos viram juntos, e um de nossos amigos foi contra, mas eu não podia fazer nada, eu apenas me apaixonei, eu apenas me encontrei em alguém, em você. 
Meses se passaram e não é necessário dizer que foi uma coisa passageira. Meu sentimento cresceu, o seu sentimento cresceu, estamos juntos e completamente felizes. Moramos juntos em uma cidade não muito feia e recebemos amigos semanalmente. 
Ao acordar ao seu lado todos os dias, eu te admiro e lembro da primeira vez que te vi e de como me apaixonei. Você fala durante a noite, e faz uns biquinhos que me encantam, por mim ficaria a noite toda te olhando, até amanhecer. Você não sabe, mas enquanto você dormia eu já disse no seu ouvido bem baixinho "eu te amo, e nunca quero perder você". 



0

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui!